telessaude_horizontal-site.png

tele---coronavirus---repositorio-top2.jpg

 

Loja do Google Facebook Instagram Twitter Linkedin Youtube linkedin.png WhatsApp Business

Janeiro Roxo - Mês de Combate e Prevenção da Hanseníase

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Marcada por um passado triste de discriminação e isolamento de pacientes, a hanseníase possui tratamento eficaz e pode ser curada.

A hanseníase tem sido uma doença altamente estigmatizante por séculos porque causa desfiguração física e nenhuma cura estava disponível até o século 20. É uma doença antiga referenciada já no século seis antes de Cristo. 

Muitas vezes, causa medo na sociedade como uma doença mutilante, contagiosa e incurável.

Hoje, sabe-se que a primeira dose do tratamento já impede a transmissão da enfermidade, que tem cura.

Pessoas com condições estigmatizantes como a lepra podem ocultar ou negar sua condição e atrasar a busca por tratamento.

Esse autoisolamento pode agravar a doença, aumentar o risco de complicações e de transmissão, além de dificultar o rastreamento de outros casos.

Negligenciada, muitos acreditam que a hanseníase já foi extinta. Porque pouco se fala sobre ela, pouco se sabe, e a falta de conhecimento é uma forte barreira no árduo caminho pelo fim do estigma social.


O que é hanseníase?

Doença infecciosa e crônica causada pela bactéria Mycobacterium leprae. O bacilo afeta, principalmente, a pele e os nervos periféricos. Tratamento permite a cura.

Sintomas

Levam, em média, de 2 a 7 anos para aparecer. Incluem perda ou alteração de sensibilidade na pele, manchas esbranquiçadas ou avermelhadas e nódulos. Há diminuição de pelos, suor e força muscular. Conheça mais sintomas: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/52287-conheca-mais-sobre-os-sinais-e-sintomas-da-hanseniase

Transmissão

Ocorre por via respiratória (espirro, tosse) de pessoa para pessoa. Cerca de 90% dos infectados não vão adoecer. A partir da 1ª dose do remédio, o paciente já não transmite a doença.

Tratamento

Se a doença for paucibacilar (poucos bacilos): prescrição de dois medicamentos por, pelo menos, 6 meses. Se for multibacilar (muitos bacilos), são três medicamentos por, no mínimo, um ano. A primeira dose eliminaria 99% dos bacilos

A hanseníase no Brasil

Somos o segundo país no mundo com mais registros de hanseníase, ficando atrás da Índia. Em 2017, 29.101 novos episódios foram contabilizados no continente americano - mais de 93% deles no Brasil.

Quebrando paradigmas

Medo e estigma são difíceis de remover e só podem ser tratados por meio de uma combinação de estratégias, como mudar a imagem da doença, integrando programas de hanseníase ao serviço geral de saúde, reabilitando pacientes e campanhas de educação e mídia, que ajudam a corrigir crenças falsas.

Há possibilidade de a hanseníase se extinguir sem que conheçamos todos os seus segredos, mas também é possível que ela não acabe justamente porque não a conheçamos como deveríamos

Dilton Vladimir de Araújo Opromolla


Você sabe quais são os direitos da pessoa com hanseníase?

https://brasa.org.br/voce-sabe-quais-sao-os-direitos-da-pessoa-com-hanseniase

Vídeo do Ministério da Saúde

Hanseníase é uma das doenças mais antigas do mundo. Saiba mais sobre os sintomas e como evitá-la

https://youtu.be/mYUtdN0MJnA

Referências

https://emais.estadao.com.br/noticias/bem-estar,na-luta-contra-a-hanseniase-preconceito-ainda-e-forte-barreira,70002850391
http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53732-dia-mundial-de-luta-contra-a-hanseniase
http://www.telessaude.mt.gov.br/Arquivo/Download/3180

Telessaúde São Paulo

E-mail: telessaude.sp@unifesp.br - Telefone: (11) 3385-4211

Endereço: Rua Pedro de Toledo, 715 - Piso superior - Vila Clementino - São Paulo - SP - 04039-032