telessaude_horizontal-site.png
Loja do Google Facebook Instagram Twitter Linkedin Youtube linkedin.png WhatsApp Business

A história das pandemias

Dados atualizados em 3 de julho de 2020

Como os humanos se espalharam pelo mundo, o mesmo aconteceu com as doenças infecciosas. Mesmo nesta era moderna, os surtos são quase constantes, embora nem todos atinjam nível de pandemia, como o novo coronavírus (COVID-19).

Pandemias históricas

Doenças e enfermidades têm atormentado a humanidade desde o inicio dos tempos. No entanto, não foi durante a mudança para as comunidades agrárias que a escala e a disseminação dessas doenças aumentou consideravelmente.

O comércio generalizado criou novas oportunidades para interações humanas e animais que aceleraram essas epidemias. Malária, tuberculose, hanseníase, gripe, varíola e outras apareceram pela primeira vez durante esses primeiros anos.

Quanto mais humanos civilizados o homem se tornou - com cidades maiores, rotas comerciais mais exóticas e maior contato com diferentes populações de pessoas, animais e ecossistemas -, mais pandemias ocorreram.

Aqui estão algumas das principais pandemias que ocorreram ao longo do tempo:

Nome Período Tipo Mortos
Praga Antonine 165-180 Acredita-se que seja varíola ou sarampo 5M
Epidemia de Varíola Japonesa 735-737 Principal vírus da Varíola 1M
Praga Justiniano 541-542 Bactérias Yersinia pestis / ratos, pulgas 30-50M
Peste Negra 1347-1351 Bactérias Yersinia pestis / ratos, pulgas 200M
Surto de Varíola no novo mundo 1520 – onwards Principal vírus da Varíola 56M
Praga de Londres 1665 Bactérias Yersinia pestis / ratos, pulgas 100,000
Praga Italiana 1629-1631 Bactérias Yersinia pestis / ratos, pulgas 1M
Pandemia de Cólera1-6 1817-1923 Bactéria V. cholerae 1M+
Terceira Praga 1885 Bactérias Yersinia pestis / ratos, pulgas 12M (China e India)
Febre amarela Late 1800s Vírus / Mosquitos 100,000-150,000 (U.S.)
Gripe Russa 1889-1890 Acredita-se que seja H2N2 (origem aviária) 1M
Gripe Espanhola 1918-1919 Vírus H1N1 / Porcos 40-50M
Gripe Asiática 1957-1958 Vírus H2N2 1.1M
Gripe de Hong Kong 1968-1970 Vírus H3N2 1M
HIV/AIDS 1981-present Vírus / chimpanzés 25-35M
Gripe Suína 2009-2010 Vírus H1N1 / Porcos 200,000
SARS 2002-2003 Coronavírus / Morcegos, Civetas 770
Ebola 2014-2016 Ebolavírus / Animais selvagens 11,000
MERS 2015-Present Coronavírus / Morcegos, camelos 850
COVID-19 2019-julho 2020 Coronavírus - Desconhecido (possivelmente pangolins) 523,250 (Johns Hopkins University visto em 3 de julho de 2020

Nota: Muitos dos números de mortos listados acima são as melhores estimativas com base nas pesquisas disponíveis. Alguns, como a Praga da Gripe Justiniana e Suína, estão sujeitos a debate com base em novas evidências.

Apesar da persistência de doenças e pandemias ao longo da história, há uma tendência consistente ao longo do tempo - uma redução gradual na taxa de mortalidade. Isso ocorreu por conta de melhorias na assistência médica e a compreensão dos fatores que incubam as pandemias.

Ira dos deuses

Em muitas sociedades antigas, as pessoas acreditavam que espíritos e deuses infligiam doenças e destruição àqueles que mereciam sua ira. Essa percepção não científica muitas vezes levou a respostas desastrosas que resultaram na morte de milhares, senão milhões.

No caso da praga de Justiniano, o historiador bizantino Procópio de Cesareia traçou as origens da praga (a bactéria Yersinia pestis) até a China e o nordeste da Índia, através de rotas comerciais terrestres e marítimas para o Egito, onde entrou no Império Bizantino através de portos mediterrâneos.

Apesar de seu aparente conhecimento do papel que a geografia e o comércio desempenhavam nessa expansão, Procópio culpou o imperador Justiniano pelo ataque, declarando-o um demônio ou invocando a punição de Deus por seus maus caminhos. Alguns historiadores descobriram que esse evento poderia ter frustrado os esforços do imperador Justiniano de reunir os remanescentes ocidentais e orientais do Império Romano, e marcou o início da Idade das Trevas.

Felizmente, a compreensão da humanidade sobre as causas da doença melhorou, e isso está resultando em uma melhoria drástica na resposta às pandemias modernas, embora lenta e incompleta.

Importando Doenças

A prática da quarentena começou durante o século 14, em um esforço para proteger as cidades costeiras das epidemias de peste. As autoridades portuárias cautelosas exigiram que os navios que chegassem a Veneza dos portos infectados estivessem ancorados por 40 dias antes do desembarque - a origem da palavra quarentena do italiano “quaranta giorni”, ou 40 dias.

Uma das primeiras instâncias de depender de geografia e análise estatística foi em Londres do meio do século 19, durante um surto de cólera. Em 1854, o Dr. John Snow chegou à conclusão de que a cólera estava se espalhando através da água contaminada e decidiu exibir os dados de mortalidade da vizinhança diretamente em um mapa. Este método revelou um conjunto de casos em torno de uma bomba específica da qual as pessoas estavam tirando água.

Enquanto as interações criadas através do comércio e da vida urbana desempenhem um papel central, também é a natureza virulenta de determinadas doenças que indica a trajetória de uma pandemia.

Rastreando a Infecciosidade

Os cientistas usam uma medida básica para rastrear a infecciosidade de uma doença chamada número de reprodução - também conhecido como R0 ou "R nada". Esse número nos diz quantas pessoas suscetíveis, em média, cada pessoa doente, por sua vez, infectará.
O sarampo está no topo da lista, sendo o mais contagioso com uma faixa de R0 de 12 a 18. Isso significa que uma única pessoa pode infectar, em média, 12 a 18 pessoas em uma população não vacinada.

Embora o sarampo seja o mais virulento, os esforços de vacinação e a imunidade do rebanho podem conter sua propagação. Quanto mais as pessoas são imunes a uma doença, menor a probabilidade de proliferação, tornando a vacinação crítica para evitar o ressurgimento de doenças conhecidas e tratáveis.

É difícil calcular e prever o verdadeiro impacto do COVID-19, pois o surto ainda está em andamento e os pesquisadores ainda estão aprendendo sobre essa nova forma de coronavírus.

Urbanização e disseminação de doenças

Chegamos ao ponto de partida, com o aumento das conexões e interações globais como força motriz das pandemias. Desde pequenas tribos de caça e coleta até a metrópole, a dependência da humanidade umas das outras também gerou oportunidades para a propagação de doenças.

A urbanização no mundo em desenvolvimento está trazendo cada vez mais moradores rurais para bairros mais densos, enquanto o aumento da população está pressionando mais o meio ambiente. Ao mesmo tempo, o tráfego aéreo de passageiros quase dobrou na última década. Essas macro tendências estão tendo um impacto profundo na propagação de doenças infecciosas.

Como organizações e governos ao redor do mundo pedem aos cidadãos que pratiquem o distanciamento social para ajudar a reduzir a taxa de infecção, o mundo digital está permitindo que as pessoas mantenham conexões e comércio como nunca antes.

Referências

Traduzido de: https://www.visualcapitalist.com/history-of-pandemics-deadliest/

 

Telessaúde São Paulo

E-mail: telessaude.sp@unifesp.br - Telefone: (11) 3385-4211

Endereço: Rua Pedro de Toledo, 715 - Piso superior - Vila Clementino - São Paulo - SP - 04039-032