telessaude_horizontal-site.png
Loja do Google Facebook Instagram Twitter Linkedin Youtube linkedin.png WhatsApp Business

Infecção por Candida auris

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Primeiro caso foi registrado no Brasil em 2020

Por César Augusto Inoue

No início do mês de dezembro de 2020, foi divulgada em diversos meios de comunicação a notícia da identificação de um microrganismo chamado Candida auris aqui no Brasil.

Mas afinal, do que se trata? Devemos nos preocupar com o surgimento de uma nova doença?

A Candida auris é um fungo emergente que em 2009 foi encontrado pela primeira vez no canal auditivo externo de um paciente do Japão. A presença deste fungo tornou-se mais preocupante, nos anos subsequentes, com o relato de sua presença em infecção da corrente sanguínea (fungemia) e por ser resistente aos medicamentos comumente utilizados para o tratamento desta condição clínica. Desde então foram surgindo ao longo dos anos situações semelhantes em países como Índia, África do Sul, Kuwait, Venezuela, EUA, Reino Unido e Paquistão.


Candida auris (em laboratório) 

A notícia da presença deste fungo em território brasileiro, assim como em outros países, traz algumas preocupações à Saúde Pública. Dentre os diversos motivos destaca-se:

  • apresenta resistências a vários medicamentos antifúngicos disponíveis para o tratamento de microrganismos semelhantes;
  • pode causar infecção em corrente sanguínea e outras infecções invasivas, podendo ser fatal, principalmente em pacientes com comorbidades;
  • pode permanecer viável por longos períodos no ambiente (semanas ou meses) e apresenta resistência a diversos desinfetantes;
  • sua identificação requer métodos laboratoriais específicos, podendo ser confundida com outras espécies de leveduras.

"Apesar de tudo, é importante não alarmar a população. Os casos de maior preocupação identificados são relacionados a pacientes graves/críticos, internados em Unidade de Terapia Intensiva e em uso de cateter venoso central ou comorbidade grave como imunossupressão. Portanto, hoje ela deve ser entendida como uma importante infecção hospitalar e por isso, os cuidados estão mais voltados aos serviços de saúde do que com medidas para a população em geral"

Frente a este contexto, a Anvisa publicou nota de atenção sobre esta situação reforçando a vigilância laboratorial da Candida auris em todos os serviços de saúde do país, assim como as medidas gerais de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde, principalmente nas Comissões de Controle de Infecção Hospitalar.

Clique AQUI  para ver a íntegra da nota de atenção da Anvisa - 7 de dezembro de 2020

Bibliografia consultada:

  • BRASIL. Agência Nacional de Vigilância em Sanitária (ANVISA). Comunicado de risco GVIMS/GGTES/Anvisa nº 01/2017.
  • BRASIL. Agência Nacional de Vigilância em Sanitária (ANVISA). Alerta de Risco GVIMS/GGTES/Anvisa nº 01/2020.
  • RHODES, J; FISHER, MC. Global epidemiology of emerging Candida auris. Current Opinion in Microbiology, Volume 52, 2019, Pages 84-89.
  • JEFFERY-SMITH, A; TAORI, SK; SCHELENZ, S; JEFFERY, K; JOHNSON, EM; BORMAN, A. Candida auris Incident Management Team, Manuel R, Brown CS. 2018. Candida auris: a review of the literature. Clin Microbiol Rev 31:e00029-17. https://doi.org/10.1128/CMR.00029-17

 

 

 

 

 

Tags:

Telessaúde São Paulo

E-mail: telessaude.sp@unifesp.br - Telefone: (11) 3385-4211

Endereço: Rua Pedro de Toledo, 715 - Piso superior - Vila Clementino - São Paulo - SP - 04039-032