telessaude_horizontal-site.png
Loja do Google Facebook Instagram Twitter Linkedin Youtube linkedin.png WhatsApp Business

20 de fevereiro - Dia Nacional de combate às drogas e alcoolismo

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Existem no Brasil, aproximadamente, 37 milhões de dependentes químicos em drogas lícitas e ilícitas.

o Brasil duas em cada três famílias enfrentam problemas com o uso ou abuso de álcool e drogas. Existem no Brasil, aproximadamente, 37 milhões de dependentes químicos em drogas lícitas e ilícitas, 50% da população brasileira faz uso do álcool e destes, 12% são dependentes.
O tratamento bem sucedido da dependência de álcool e outras drogas depende de inúmeros fatores e principalmente de uma ampla investigação que determine qual a relação do indivíduo com a droga.

A OMS define o abuso de álcool e drogas como “um padrão de uso de substâncias que causem danos à saúde”. O diagnóstico requer que um dano real tenha sido causado à saúde física e/ou mental do usuário. Nesse caso, o uso das substâncias pode evoluir para uma dependência.

Alguns sinais de alerta para a dependência química:

  • Compulsão: desejo incontrolável de consumir uma substância. 
  • Aumento da tolerância: A necessidade de doses crescentes de uma determinada substância.
  • Síndrome de abstinência: O surgimento de sinais e sintomas de intensidade variável quando o consumo de substância cessou ou foi reduzido.
  • Relevância do consumo: O consumo de uma substância torna-se prioridade na vida da pessoa, que passa a ignorar outras coisas que antes davam prazer.

O preconceito e o estigma com o usuário de álcool e/ou drogas ainda é muito presente em toda a sociedade e muitas vezes o sofrimento desse sujeito, sua história, sua personalidade, sua genética, suas crenças e anseios, e especialmente o meio social e cultural em que ele está inserido são desconsiderados ou minimizados.

O Sistema Único de Saúde (SUS), oferece atendimento gratuito ao usuário de álcool e/ou drogas, tanto no atendimento a situações de crise como nos processos de reabilitação psicossocial A maioria das pessoas usuárias de substâncias podem e devem ser cuidadas pela rede básica de saúde, reservando os encaminhamentos para atendimentos especializados apenas para os pacientes graves. 

Quem necessita de tratamento no SUS devido ao abuso de álcool e outras drogas deve procurar as Unidades Básicas de Saúde (UBS), os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas III (CAPS AD). O atendimento conta com equipes multiprofissionais compostas por médico psiquiatra, clínico geral, psicólogos, dentre outros.

 

l_20190611121921.jpg

Luciana Geocze

Psicóloga, Graduada em Psicologia (PUC-SP), aprovada para o Curso de Formação de Analistas do Instituto Junguiano de São Paulo [Associação Junguiana do Brasil(AJB)/ International Association for Analytical Psychology (IAAP)-2017]; Especialista em Psicologia da Saúde (UNIFESP-EPM), Mestre em Psiquiatria e Psicologia Médica (UNIFESP-EPM) e Doutora em Ciências (UNIFESP-EPM). Psicóloga do Pronto-Socorro do Hospital São Paulo - HU/UNIFESP e Tutora e Preceptora da Psicologia no Programa de Residência Multiprofissional em Urgência e Emergência. Coordenadora de Saúde Mental do Núcleo de Telessaúde Brasil Redes - UNIFESP Atua como psicóloga clinica em consultório particular, na abordagem Junguiana Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Hospitalar e Clinica, atuando principalmente nos seguintes temas: Urgência e Emergência, Qualidade de Vida, Estresse, Ansiedade e Depressão. Mais informações: clique aqui

Referências

MINOIA, Natali Pimentel; MINOZZO, Fabiane. Acolhimento em Saúde Mental: Operando Mudanças na Atenção Primária à Saúde. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 35, n. 4, p. 1340-1349,  dez.  2015.   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932015000401340&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  06  out.  2016.  http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001782013.

BARROS, Sônia; OLIVEIRA, Márcia Aparecida Ferreira de; SILVA, Ana Luisa Aranha e. Práticas inovadoras para o cuidado em saúde. Rev. esc. enferm. USP,  São Paulo ,  v. 41, n. spe, p. 815-819,  dez.  2007 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342007000500013&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  06  out.  2016.  http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000500013.

ARAUJO, Adriano Kasiorowski de; TANAKA, Oswaldo Yoshimi. Avaliação do processo de acolhimento em Saúde Mental na região centro-oeste do município de São Paulo: a relação entre CAPS e UBS em análise. Interface (Botucatu),  Botucatu ,  v. 16, n. 43, p. 917-928,  dez.  2012 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832012000400005&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  06  out.  2016.  Epub 21-Dez-2012.

Telessaúde São Paulo

E-mail: telessaude.sp@unifesp.br - Telefone: (11) 3385-4211

Endereço: Rua Pedro de Toledo, 715 - Piso superior - Vila Clementino - São Paulo - SP - 04039-032